Cenário sobre Empreendedorismo no Brasil e no Mundo para 2022

Mais pessoas veem no empreendedorismo uma oportunidade de vida e vêm trabalhando para conquistar o sonho de ter o próprio negócio, de acordo com o mais recente Relatório do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2021/2022.

O GEM tem o objetivo de classificar os países em termos de sua capacidade de incentivar novos negócios, que são de interesse tanto para os formuladores de políticas quanto para os empresários.


Como impulsionar novos negócios e incentivar o empreendedorismo?

O relatório GEM 2021/22 inclui uma abrangente Pesquisa Nacional de Especialistas (NES), que captura as perspectivas de mais de 2.000 especialistas relevantes – no mínimo 36 por país – nos 50 países participantes, sobre as condições que regem o empreendedorismo em seu país.

Dentre as melhores maneiras para empreender, estão:

A pesquisa do GEM revela em geral, que apoiar novos negócios em tempos difíceis – como durante a pandemia de Covid-19 – e apoiar mulheres empreendedoras podem ser importante em uma estratégia de promoção do empreendedorismo, permitindo que ele se desenvolva e contribuia para o desenvolvimento e crescimento econômico.


Os 50 melhores países para empreender


Pelo Índice Nacional de Contexto de Empreendedorismo (NECI), as economias de alta renda tiveram um desempenho melhor do que as economias de média e baixa renda, que resume em um número a avaliação conjunta de especialistas das 13 condições de estrutura empresarial (EFCs) de cada economia.


Taxa de empreendedorismo no Brasil

O Brasil ascendeu duas posições no ranking global em termos de taxa de empreendedorismo total no período analisado.

Segundo o estudo, o país perdeu 9,4 milhões de empreendedores brasileiros em 2020 e em 2021 chegou ao patamar mais baixo desde 2013. No último ano, o número de pessoas entre 18 e 64 anos de idade à frente do próprio negócio formal foi de cerca de 43 milhões. Em 2020 e 2019, este número era de 44 milhões e 53,4 milhões de pessoas, respectivamente.

Em 2020, o país ocupava o sétimo lugar na lista com 47 países. Em 2021, o Brasil chegou à quinta posição, atrás da República Dominicana (45,2%), Sudão (41,5%), Guatemala (39,8%) e Chile (35,9%).



Segundo o Fórum Econômico Mundial (WEF) há seis tendências emergentes no empreendedorismo após o COVID-19 com base em mais de 150.000 entrevistados do GEM, que podemos analisar:

1 - Recuperação global

Em 15 de 47 economias, mais da metade dos que iniciam ou administram um novo negócio concordaram que a pandemia levou a novas oportunidades de negócios. Em 2020, esse havia sido o caso de apenas nove das 46 economias. Da mesma forma, em 2021, mais de um em cada dois empreendedores em 18 das 47 economias concordaram que iniciar um negócio se tornou mais difícil. Em 2020, quase o dobro (33 de 46 economias) tinha 50% ou mais de seus possíveis empreendedores concordando que esse era o caso.


2 - Pré-pandemia x Pós-pandemia

O GEM rastreia as taxas de atividade empreendedora anualmente e uma comparação de dados em 2019, 2020 e 2021 mostra que a atividade empreendedora ainda não voltou aos níveis pré-pandemia na maioria dos países. O declínio foi de mais da metade na Polônia, na Eslováquia e na Noruega.

No entanto, há exceções, particularmente na Arábia Saudita e na Holanda, que experimentaram aumentos na atividade empreendedora em cada um dos últimos dois anos. O gráfico a seguir mostra os níveis de atividade empreendedora total em estágio inicial (TEA) em cada ano para os 34 países participantes do GEM:


Atividade Empreendedora Total em Estágio Inicial. Imagem via GEM

3 - Atividade empreendedora

O empreendedorismo é fundamental para apoiar a criação de empregos pós-pandemia e as empresas de alto crescimento são cruciais para alcançar esse objetivo. No entanto, o WEF observa que há uma preocupante tendência de baixa expectativa de crescimento entre os empresários.

Em um quarto das economias estudadas, mais da metade dos que iniciam ou administram um novo negócio espera não empregar ninguém além de si mesmos em cinco anos. Isso pode ser indicativo de altos níveis de negócios de “sobrevivência informal”, sugerindo novas startups como meio de sobrevivência na ausência de oportunidades alternativas de renda devido à pandemia.

4 - Medo de falhar

Observa-se um paradoxo complicado em certos países. Embora muitos profissionais percebam que iniciar um negócio em seu país é fácil, apenas uma proporção muito pequena pretende iniciar um. Por exemplo, no Reino Unido, mais de 70% dos entrevistados concordam que é fácil iniciar um negócio naquele país, no entanto, menos de 1 em cada 10 pretende iniciar um negócio nos próximos três anos.

Da mesma forma, na Índia, mais de 80% dos entrevistados concordam que é fácil iniciar um negócio naquele país. No entanto, menos de 1 em cada 5 adultos espera iniciar um negócio nos próximos três anos. Em ambos os países, mais de 50% dos que veem boas oportunidades para iniciar um negócio relatam que o medo do fracasso os impediria de fazê-lo.

5 - Digitalização

As restrições induzidas pela pandemia e a melhoria da infraestrutura digital aceleraram e aumentaram a adoção da tecnologia entre os países de baixa renda, onde uma em cada duas novas startups espera aumentar o uso digital para vender seus produtos nos próximos seis meses.

No entanto, os novos empreendedores adotam as tecnologias mais do que os empresários estabelecidos em todas as economias, exceto em três: África do Sul, França e República da Coreia. Há necessidade de mais incentivos e/ou treinamento para investir em tecnologias para evitar que empresas estabelecidas sejam deixadas para trás.

6. Educação

Uma tendência muito preocupante aqui é que os especialistas geralmente avaliam a educação empreendedora na escola como falha. Das 13 condições rastreadas, a Educação Empreendedora nas escolas foi classificada em último lugar em 39 das 50 economias participantes do NES no GEM 2021. Isso poderia ter consequências de longo prazo, como limitar a criatividade, cultivar uma compreensão deficiente da dinâmica do mercado, e não alavancagem das intenções de criação de novos empreendimentos entre adultos no futuro, por sua vez, dificultando o crescimento econômico.


Com investimento em infraestrutura, apoio governamental no que se refere a burocracia e impostos e uma educação empreendedora o cenário empreendedor se torna mais sólido e promissor.





Fontes:

htps://www.gemconsortium.org

AAA Inovacao

0 visualização0 comentário